“Vi pessoas que eu amo partindo. E doeu. Não no corpo, mas na alma.”
- Isabella Martins. 

“Eu queria te contar que agora não dói mais. Só que agora não importa tanto o que você vai pensar sobre isso. Queria que você soubesse que já vi nossos filmes milhares de vezes e nem chorei. Ok, chorei. Mas pelo filme e não por você. Queria que você soubesse que tirei a poeira das nossas músicas e que as ouço quase todos os dias, porque elas me faziam mais falta do que você fez. Os nossos lugares não são mais nossos. Eu já voltei lá com outras pessoas, e escrevi lá outras histórias… Eu estou aprendendo a tocar violão. E a primeira música que toquei foi aquela música que era uma espécie de hino pra nós dois. Ela é tão linda… E sim, ela continua sendo muito nossa e lembrando demais você. Mas ainda sim, não dói. Você não pergunta essas coisas, mas sei que gostaria de saber. Porque te conheço. E isso não mudou. Do mesmo jeito que adivinhei as coisas ruins que você aprontaria, eu sei as coisas boas que ficaram aí em você e te fazem lembrar de mim. Porque a vida segue. Mas o que foi bonito fica com toda a força. Mesmo que a gente tente apagar com outras coisas bonitas ou leves, certos momentos nem o tempo apaga. E a gente lembra. E já não dói mais. Mas dá saudade. Uma saudade que faz os olhos brilharem por alguns segundos e um sorriso escapar volta e meia, quando a cabeça insiste em trazer a tona, o que o coração vive tentando deixar pra trás.”
- Caio Fernando Abreu.   

“Se é pra morrer de amor, que seja por um amor que tenha valido a pena viver.”
- Caio Augusto Leite.   

“Este é um ponto importante: ir, sobretudo, em frente.”
- Caio F. Abreu   

“Já que não tenho coragem de assumir minha loucura, queria que ao menos algum canto do mundo me acolhesse. E me abraçasse e dissesse que tudo bem, tudo bem de vez em quando eu perder assim a razão ou o equilíbrio. Eu queria que existisse um canto do mundo que nunca me dissesse ‘’ei, você se expõe demais’’ e que me deixasse ser assim e apenas me deixasse ficar quietinha e quente quando o mundo resolvesse me magoar porque eu sou briguenta, mas sou mais sensível que maria-mole na frigideira.”
- Tati Bernardi.  

Ana queria ser céu

 

queria ser estrela,

queria poder preencher aquele vazio

que havia dentro de si

com aquela imensidão que lhe transbordava até a alma.

Em uma bela noite de lua cheia,

encantada com aquele brilho ofuscante

que refletia sobre o mar .

Ana jogou se ao ar

na esperança de alcança-la

E ao invés de virar céu,

Ana virou mar .

B.


“Não é chocante o que o amor pode fazer?”
- Glee.